A Ciência da Ascensão Espiritual

Ascensiologia é a Alta Ciência da Iluminação dos Mestres de Sabedoria, os Chohans. A Projeciologia entra aqui apenas como um treinamento preliminar. E como sugere a doutrina indiana dos Vimanas, a Ufologia é uma capa externa ou uma versão exotérica do tema.

Ascensão é a passagem da esfera solar da Hierarquia, para a esfera cósmica de Shambala, pelo portal da Sexta Iniciação, relacionada aos Sete Sendeiros de Evolução Superior dos teósofos.

...... .......... ..............APRESENTAÇÃO .......... HOME ........... INICIAL ...........EDITORA .......... VIDEOS .......... GRUPOS.......... GLOSSÁRIO

terça-feira, 3 de agosto de 2010

O Vôo para o Infinito (a ascensão espiritual segundo Carlos A. Castaneda e Alice A. Bailey

Segundo os videntes da linhagem do nagual Juan Matus, existem na Terra 48 grandes faixas de emanações ou tipo de organizações provenientes da Águia. Podemos encontrar este número em outras tradições, tal como o sufismo de Gurdjieff.

48 é a soma do número de pétalas dos cinco primeiros chakras no hinduísmo, ou seja, um valor de quintessência. Mas como este valor se reflete e duplica no 6° centro (Ajna), devemos tratar aqui especialmente com tal reflexo.

Assim, se 48 era dividido no primeiro grupo como 12x4, de forma lunar, evocando os quatro Zodíacos associados aos quatro corpos e iniciações raciais, agora devemos ver este ciclo como 49 (donde o 50 quintessencial), de forma solar, e dividi-lo através de 7x7 dos sete planos solares. O zodíaco soli-lunar reúne estas duas possibilidades.



Segundo a tradição tolteca, quarenta destas faixas são apenas formais (elementais), e não tem nenhuma espécie de consciência. São simples estruturas evolutivas. Podemos equipará-las aos quatro ciclos da Árvore da Vida, representados nos quatro grupos decimais de Arcanos Menores, retirando-se as 16 cartas entificadas: 4 "Reis", 4 "Rainhas" 4 "Valetes" e 4 "Damas", os quais tem sido comparados por nós aos 16 elementos do antigo grupo do nagual ou ao grupo básico do Novo Regulamento Sinárquico.

Oito faixas de emanações têm vida consciente, mas apenas uma tem vida orgânica (ver O Fogo Interior, pg. 154 ss., C. Castañeda). Naturalmente, tal coisa se relaciona aos Sete Sendeiros Superiores de Evolução, que tomam os Chohans, dos quai seis deles conduzem aos planos extra-cósmicos, e um apenas mantém o mestre encarnado neste sistema solar (ver adiante).

Os "Seres Inorgânicos"

As sete faixas de "consciência pura" são os Sete Raios, emanados cosmicamente, segundo o Tibetano, a partir da constelação da Ursa Maior, naquilo que diz respeito à atual ronda evolutiva.
Segundo os informes teosóficos, os Mestres liberados têm nos seus horizontes cósmicos sete caminhos para optar. Podemos associar estes sete sendeiros aos sete reinos conscientes inorgânicos, como vimos acima.

Afirmam ainda os toltecas, que cada faixa deste grupo óctuple está constituída por três feixes de consciência. Assim, pode-se relacionar os 7 grupos de seres inorgânicos aos 21 "cernes abstratos" mencionados por Castañeda no início de O Poder do Silêncio (onde também os apresenta como "três conjuntos de seis cernes abstratos", o que modifica pouco o panorama).

Estas estruturas têm muito em comum com doutrinas astrais de várias escolas e até com a ciência. O algarismo 21 é comum nas tradições, e o cabalista o encontra no Tarô, na Árvore Sefirótica e na própria estrutura do calendário hebraico. Na religião egípcia, o mundo de Osíris têm sete portais guardados por três entidades cada um. É ainda o mesmo número de setores das três esferas do Bhavachakra tibetano, a Roda da Vida coordenada pelo deus da morte Yama.

Finalmente, Alice A. Bailey informa em Astrologia Esotérica, que os Sete Raios divinos emanados da Ursa Maior alcançam, nesta ronda, o nosso Sistema Solar através de três Constelações por cada Raio, resultando novamente em 3x7=21.

Os seres inorgânicos representam energias pares, e este Universo Paralelo define a base para a criação.

"Os antigos xamãs descobriram que o universo inteiro está composto de forças gêmeas, forças que se opõe e que se comple¬men¬tam. É irrefutável que nosso mundo é um mundo gêmeo. O mundo oposto e complementar a ele está povoado por entes que têm consciência, mas não um organismo." (Castaneda, El Lado Activo del infinito, pg. 242)

Tais "forças gêmeas" lembram o universo paralelo da moderna Teoria científica da Supersimetria. Estes seres inorgânicos têm a mesma longevidade do planeta, e neste sentido são eternos. "A Terra é a sua matriz". (op. cit., pg. 248).

Com o definitivo abandono do corpo físico, os xamãs se tornam eles mesmos em seres inorgânicos:

"...se convertem em seres inorgânicos, muito especializados, seres inorgânicos de grande velocidade, seres capazes de manobras estupendas de percepção. Os xamãs empreendem então o que chamam de sua viagem definitiva." (op. cit., pg. 247).

Tal coisa aproxima definitivamente dos destinos dos Chohans, os quais seguem cosmicamente por vias de energias puras e definidas de natureza consciencial. Nestas vias, que seguem normalmente além deste sistema solar, eles podem prosseguir evoluindo.

Hierarquicamente, os Sete Sendeiros também estão associados às Sete Hierarquias Búdicas existentes: Bodhisatva, Pratyeka, Manushi, Dhyani e Adi, já mencionados, além de duas categorias de Vajra, integrando com os 6 graus sistêmicos os 13 escalões do Duplo Sistema e o próprio Setenário Cósmico após a sua completa liberação. Este duplo sistema perfaz uma base iniciática dos universos-espelhos, porque incluem os planos físico e astral cósmicos. A ascensão é, com efeito, um mergulho no Mar da Consciência, que é Astral cósmico (na medida do registro linear dos planos), que é de certa forma a nossa origem espiritual.

Os Sete Sendeiros Cósmicos

A natureza dos Sete Sendeiros e os Centros cósmicos a eles conectados, conforme o transmitido pelo Tibetano através de Bailey, são:

1°. Sendeiro de Serviço na Terra => Físico Cósmico => Astral Cósmico;
2°. Sendeiro de Trabalho Magnético => Astral Cósmico => Mental Cósmico;
3°. Sendeiro de Treinamento para Logos Planetário => Mental Cósmico;
4°. Sendeiro para Sírio => Astral Cósmico;
5°. O Sendeiro de Raio => Mental Cósmico;
6°. O Sendeiro onde se acha o Logos => Búdico Cósmico;
7°. O Sendeiro de Filiação Absoluta => Mental Cósmico.

Como se observa, o nosso Logos apresenta um vínculo com o mais superior dos Sendeiros, aquele que conduz à mais elevada das esfesras acessíveis neste Sistema: o Búdico Cósmico, ou 4° Logos Cósmico. Isto é natural, porque se trata do Plano Quaternário de nosso Logos Cósmico, cujo Mestre está assentado no Búdico Cósmico, representando a sua meta evolutiva e o seu horizonte possível. É o Plano ao qual o nosso Logos aspira por unificar-se, e a crescente ascensão de Hierarcas até este patamar que representa o coração de nosso universo, fortalece o vínculo com este centro "cardíaco" maior e apres¬sa o dia em que uma grande realização cósmica terá lugar.

Todos os Sendeiros têm profundas afinidades entre si, e se destinam a conduzir ao Sol Central Espiritual. Cada um deles leva a uma das seis constelações que com a nossa formam os sete centros d'Aquele Sobre Quem Nada pode Dizer-se, no plano Búdico Cósmico, através das sete estrelas da Ursa Maior. Este 4° Logos representa a Fonte Setenária das energias sistêmicas, dominantes até final do atual Manvantara.

A transição para as esferas cósmicas pode ser realizada de uma forma direta, através do Salto Cósmico para outro Sistema, ou indireta em alguns casos, mediante o prosseguimento em nosso Sistema, cumprindo as etapas planetárias superiores no Ultrassistema. Por isto, quatro destes Sendeiros empregam as Escolas de Aprimoramento do Sistema Solar: Saturno (1° Sendeiro), Urano (2° Sendeiro), Netuno (3° Sendeiro) e Plutão (6° Sendeiro). O 4° Sendeiro pode realizar uma opção mais ou menos imediata, porque a energia de Sírio logo irá adentrar em nosso campo solar, substituindo de certo modo a da Ursa Maior já nesta nova Ronda que está iniciando, juntamente à das Plêiades e de Alfa Centauro. Os Sendeiros restantes também serão beneficiados com isto, porque Sírio é o 5° Logos Cósmico. Os 5° e 7° Sendeiros conectam diretamente com este centro, e o último deles coloca o Mestre sob a sua direta jurisdição.

De certo modo, os quatro Planetas de Aperfeiçoamento atuam como Átomos Permanentes para os planos físicos dos Sistemas cósmicos associados. Suas Escolas de Pós-Graduação proporcionam o Bacharelado Cósmico, enquanto as Universidades Intersistêmicas outorgam o Doutorado Cósmico.
As Escolas de Aperfeiçoamento, com os respectivos Sendeiros, Hierarquias Búdicas, Logos e Planos Cósmicos associados são:

SENDEIRO PLANETA HIERARQUIA LOGOS CÓSMICO (PLANO CÓSMICO) ESTRELA

1° Sendeiro: Saturno - Bodhisatwa => 7° Logos ("Físico") – Shamash;
2° Sendeiro: Urano - Pratyeka => 6° Logos ("Astral") – Plêiades;
3° Sendeiro: Netuno - Manushi => 5° Logos ("Mental") – Sírio;
6° Sendeiro: Plutão - Dhyani => 4° Logos ("Búdico") – Ursa Maior.

Alguns destes Sendeiros são provisórios por sua própria natureza. No 1° Sendeiro, o Bodhisatwa está identificado ao nosso próprio Sol (Shamash, 7° Logos Cósmico), e depois segue para o 6° Logos Cósmico. E no 2° Sendeiro, o Pratyeka identifica-se ao 6° Logos Cósmico mas depois prossegue até o 5° Logos Cósmico. A identificação é uma das técnicas empregadas nestas evoluções superiores. Para mais, ver nossas obras “O Portal de Farohar” e “O Livro dos Chohans”.


Da obra "O Espelho de Obsidiana", LAWS, Ed. Agartha