A Ciência da Ascensão Espiritual

Ascensiologia é a Alta Ciência da Iluminação dos Mestres de Sabedoria, os Chohans. A Projeciologia entra aqui apenas como um treinamento preliminar. E como sugere a doutrina indiana dos Vimanas, a Ufologia é uma capa externa ou uma versão exotérica do tema.

Ascensão é a passagem da esfera solar da Hierarquia, para a esfera cósmica de Shambala, pelo portal da Sexta Iniciação, relacionada aos Sete Sendeiros de Evolução Superior dos teósofos.

...... .......... ..............APRESENTAÇÃO .......... HOME ........... INICIAL ...........EDITORA .......... VIDEOS .......... GRUPOS.......... GLOSSÁRIO

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Os Sendeiros Cósmicos e os Raios divinos

.
As primeiras informações sobre os Sete Sendeiros de evolução superior, relacionados aos caminhos cósmicos de ascensão espiritual dos Chohans, foram fornecidas pelos autores teosóficos, vindo depois a ser desenvolvidas por Alice A. Bailey e logo por outros autores.
Tal como a Hierarquia dos Sete Raios atua em conjunto, os grupos de ascensão dos rishis ou videntes também formam coletivos setenários. Citemos:
“(...) existe uma resistência em relacionar os Sete Sendeiros cósmicos diretamente aos Sete Raios da divindade. Ainda que tal coisa possa ser realizada com muito proveito, melhor seria dizer que se tratam de realidades complementares, do que propriamente unificadas, porquanto os Sete Sendeiros atuam na esfera nirvânica e os Sete Raios atuam na manifestação.” (LAWS, “O Livro dos Chohans”)
Bailey comunica que o nome da iniciação do Chohan é “Decisão”, e se relaciona à opções entre os “Sete Sendeiros de Evolução Superior”. Contudo, a verdadeira grande decisão do Chohan, diz respeito a sua opção entre o nirvana de serviço celestial ou o samsara de serviço na Terra. Os sub-caminhos que existem em cada uma delas são secundários.

A Dupla Evolução da Hierarquia
Evolução Oculta: os Sete Sendeiros & Evolução Manifesta: os Sete Raios
1. O Sendeiro de Serviço na Terra. ................... 1. Vontade-Poder
2. O Sendeiro de Trabalho Magnético. ........ 2. Amor-Sabedoria
3. O Sendeiro de Treinamento para Logos Planetário. 3. Inteligência-Atividade
4. O Sendeiro que conduz a Sírio. .................. 4. Arte-Beleza
5. O Sendeiro de Raio. ............................... 5. Mente-Concreção
6. O Sendeiro no qual se acha nosso Logos. .. 6. Devoção-Religião
7. O Sendeiro da Filiação Absoluta. ....... 7. Ritual-Organização

Naturalmente, cada esquema pode oferecer chaves para o outro. Temos feito notar sempre, aliás, que a dupla designação dos Sete raios, também comporta uma dimensão interior-exterior ou espiritual-material.
Cada Sendeiro possui um regulamento próprio, mas também existe o Grande Regulamento para o conjunto dos Sete Sendeiros. As Regras dos Seis Grupos Nirvânicos, difere das Regras do Grupo de Manifestação do Primeiro Sendeiro (de "Serviço na Terra", que origina os Sete Raios de serviços terrenos), mas todos atuam sempre em conjunto. Aparentemente, Agartha é formada pela Grande Fraternidade Branca. Na verdade, esta reúne os Mestres da Loja manifestada, atuando no mundo junto à humanidade, conferindo instrução e orientação direta aos seres humanos. As outras missões nirvânicas também integram Agartha e Shambala, como funções vitais dos Grupos de Ascensão. Um estudo dos trabalhos grupais dos guerreiros toltecas, transmitido através do antropólogo Carlos Castañeda, pode trazer muita luz sobre o assunto. Na literatura de Alice A. Bailey também existe muita informação, e a nossa obra “A Tradição Tolteca” reúne e compara todas estas informações, entre outras coisas mais.
Comentemos, pois, rapidamente os Sete Sendeiros (para mais, ver nossas obras “O Livro dos Chohans” –de onde extraímos as citações que segue- e “O Portal de Farohar”):
1. O Sendeiro de Serviço na Terra ou de “assistência à humanidade”. É a via dos Bodhisatwas, os grande renunciantes. Estes Mestres aceitam atuar junto à humanidade, orientar as nações e recebem discípulos, sempre dentro de um espírito de unificação.
2. O Sendeiro de Trabalho Magnético de “imantação planetária”. É um caminho de amor e magnetização planetária. Os mosteiros são escolas naturais deste Sendeiro. “Os mestres trabalham aqui para livrar a humanidade dos miasmas inferiores, purificando o astral e elevando as aspirações.
3. O Sendeiro de Treinamento para Logos Planetário ou da “ilusão criadora”. O trabalho dos auxiliares de Logos prepara para se tornar um Logos. “Além de se atuar neste sendeiro com o lótus causal, construindo o antahkarana solar, neste Sendeiro o iniciado vê o mundo como um sonho ou uma criação da mente, e controla a forma atuando desde uma espécie de corpo mental (mayavirupa) cósmico.
4. O Sendeiro que conduz a Sírio ou do “arrebatamento superior”. “O grande atributo deste sendeiro foi descrito como arrebatamento cósmico e bem-aventurança rítmica, sendo que o êxtase dos místicos cristãos aponta nesta direção. (...) Temos neste sendeiro a grande via de ascensão da humanidade para a esfera da hierarquia.”
5. O Sendeiro de Raio ou da “projeção dos Arquétipos”. Este Sendeiro atua com a precipitação de energias. “Os aspectos mais importantes deste sendeiro são de natureza mental. Em termos formais, podemos dizer que nele as chaves ocultas (dadas em sonhos, visões, etc.) são de natureza geométrica. É através das formas e dos números que o conhecimento deve ser então alcançado.”
6. O Sendeiro no qual se acha nosso Logos ou da “visão cósmica interior”. Este misterioso sendeiro, é também chamado o “Sendeiro da Visão”, e seu grande atributo é o desenvolvimento da visão cósmica interna. Seu objeto de contato é a natureza do Logos solar, numa forma cósmica da devoção e idealismo.”
7. O Sendeiro da Filiação Absoluta ou do “discipulado cósmico”. Também chamado o “Caminho da Ação”, o grande atributo deste sendeiro é o de ‘Discipulado cósmico’ (...) Esta filiação é uma analogia, num plano mais elevado, desse grau do discipulado que chamamos ‘Filho do Mestre.’ (...) É dito que este último sendeiro confere o acesso ao ‘Portal de Liberação’, sendo por isto o mais próximo da natureza dos Budas”.
Os Mestres Ascensos atuam sob estas sete modalidades em torno do Senhor do Mundo.
Na reprodução acima, vemos os sete centros espirituais de Agartha em torno a Shambala central, sede do Rei do Mundo. Na base estão as doze expressões da raça-raiz. Em algumas representações, também existe a intenção de mostrar estes setores periféricos como grupais.
O grande centro da sexta iniciação é, naturalmente, o sexto chakra, Ajna, o centro frontal. Como centro terminal da evolução solar setenária, Ajna é o chakra-portal que dá acesso aos Sete Mundos de Evolução superior.
Existe nisto uma analogia com os Sete Raios, na medida em que em nosso sistema solar, os Raios derivam do Segundo Raio de Amor-Sabedoria, o qual deve ser relacionado ao Ajna Chakra, precisamente.*
Ajna: portal cósmico de ascensão
Ajna reúne e duplica a soma das pétalas dos cinco chakras inferiores (os quais somam 48 pétalas), numa forma de “espelho cósmico” que redundaria uma estrutura decimal de chakras -semelhante à da Árvore Sefirótica da Cabala. O valor 48, representa na tradição sufi o “número da Terra”, e na tradição tolteca, as 48 emanações cósmicas que formam o mundo.
Na gravura abaixo, reorganizamos estes valores na forma de ciclos setenários, onde toca à cada pétala um montante de 7x7 sub-esferas, sub-raios ou sub-pétalas. Cada grande pétala serve de “folha” de um portal cósmico, o lado de dentro sendo o pralaya ou a absorção cósmica, contendo os Sete Sendeiros de Evolução superior dos Mestres ascensos, e o lado de fora sendo o manvantara ou a manifestação cósmica, contendo os Sete Raios nos quais se organizam os Mestres que optam pelo Primeiro Sendeiro de Evolução superior. O Primeiro Sendeiro (o dos Bodhisatwas) e o Primeiro Raio (Vontade-e-Poder), integram um campo comum de transição, algo ao modo da vesica piscis, e que terminam por figurar uma esfera logóica central, representando neste caso o nosso Logos planetário, relacionado inicialmente a Sanat Kumara, e logo ao Chohan do 1º Raio.
Esta disposição indica a existência de 49 sub-sendeiros de evolução superior, de resto sugerida na idéia das Sete Lojas e dos 49 sub-ashrams da Hierarquia, atuantes no plano da manifestação através das Lojas organizadas da Hierarquia dos Sete Raios. A Loja Branca é a esfera de esforços e de serviço “exterior” do Logos, além se representar a grande tarefa das sub-raças originais. Esta Grande Fraternidade Branca dos “Mestres Ascensos” que conhecemos, é o agrupamento setenário do 1º Sendero de Evolução superior, a qual deve todavia ainda se manifestar na Terra para consumar o seu trabalho.
Podemos dizer que estas pétalas, se voltam para direções contrárias. As suas energias são semelhantes, mas o foco é oposto. Assim, os Sete Sendeiros estão voltados para cima e para dentro, enquanto que os Sete Raios estão voltados para baixo e para fora - sempre sob a elevada conotação do Sendeiro de Retorno. Por esta razão, é que o nome do grande Senhor da Compaixão no Budismo, Avalokiteshwara, significa “aquele que olha para baixo”, isto é, para o mundo, com o intuito de salvá-lo.
Tal como indica o Arcano VI do Tarô, acima, a Sexta Iniciação envolve uma grande resolução, simbolizada pelas duas grandes pétalas de Ajna Chakra, que mais do que uma opção entre os Sete Sendeiros, diz realmente respeito a deixar este mundo e acatar o nirvana, ou seguir no mundo e renunciar ao nirvana. Daí o nome dado por Alice A. Bailey a esta iniciação, chamada de “A Decisão”. Assim, a “opção” em vista transcende a moral comum, embora tampouco chegue a ser inversa, como alguns têm ousado sugerir.
A opção pela mulher pecadora, diz respeito neste caso não a optar pelo pecado, mas por querer auxiliar a humanidade caída e a permanecer no seu seio com este fim, naturalmente se preservando moralmente através dos esforços espirituais necessários. Esta opção lembra o Sendeiro Mahayana do Budismo, denominado “O Grande Caminho”, por ser movido pela compaixão e pela renúncia ao nirvana, levando o mestre a seguir reencarnando com fins de serviço à humanidade, ou a deter de poder de influência espiritual mesmo quando desencarnado.
E a opção pela mulher virtuosa, até pode ser envolver os cuidados com alguma comunidade especial, mas diz respeito melhor à limitar-se mais às próprias ordens e ao ascetismo em si, assim como a se liberar do trato direto com a humanidade após o desenlace físico-carnal. Esta opção lembra, por sua vez, o Sendeiro Hinayana do Budismo, denominado “O Pequeno Caminho” pelos adeptos do sendeiro anterior, por ser movido pelo desejo de iluminação pessoal (ou senão, pelo anonimato espiritual meramente) e pela tomada do nirvana, levando o mestre a não mais reencarnar nesta Terra. Vale lembrar, contudo, que mesmo nas esferas cósmicas, prossegue o serviço da evolução maior, capaz de auxiliar a humanidade de outras formas que não o ensino ou a assistência direta.

* Bailey afirma que a sexta iniciação “libera” o mestre deste sistema solar –que são os planos iniciáticos de evolução: este fato também está relacionado, ao vínculo oculto existente entre a terceira iniciação e o centro Ajna. E Serge R. de la Ferrière revela que após iluminado este centro, o chakra coronário se ilumina automaticamente. Vale lembrar que a quarta iniciação é alcançada sob as provações dos votos de Bodhisatwa, um grau relacionado em si à sétima iniciação, fazenda a conexão secreta que liga o coração ao alto da cabeça através da ponte interna do Antahkarana e outras tantas analogias.

Da obra "As Luzes do Pramantha", LAWS, Ed. Agartha, AP.
.
Participe do grupo “TEOSOFIA CIENTÍFICA - AS SETE CHAVES DO SOL” no Facebook
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário